TRUMP(A)

ALEGRE E AS TRISTES FIGURANTES

O PS
(mal ou bem, ainda que ache bem)
proibiu as duplas candidaturas
(às autarquicas e às legislativas).
Como se sabe, muitos militantes “importantes” condescendiam em dar o seu nome numa autarquia, por uma questão de “humildade democrática”, mas depois tinham garantido o “tacho” no Parlamento.

Sem cuidar de saber se Alegre fez bem ou mal
(acho que não fez mal, mas essa é outra história),
que raio de argumento é este
(à atenção do valha me deus, entendido nestas coisas)?
Eu não me importo
(em princípio)
quem diz, importo-me saber se é verdade ou mentira. Se o Sócrates disser que hoje é sexta-feira, eu vou dizer que é mentira porque foi o Sócrates que disse
(ainda que eu vá confirmar ao calendário, à cautela)?
Dever-se-ia dizer que a medida é errada ou inoportuna
(há muitos que esperavam o reconhecimento do “sacrifício” com um lugar em S. Bento),
mas não que quem a defende ou retira dali as consequências lógicas esteja errado só porque cometeu um erro.

Por essa ordem de ideias, Ana Gomes, que foi do MRPP, muito menos poderia falar, por esse motivo.

Um coxo não pode ser ortopedista?

escrito por Carlos M. E. Lopes

3 comentário(s). Ler/reagir:

Saltamontes disse...

Elisa e Ana, fazem parte do grupo:

"Um olho no burro outro no cigano"

Nasceram assim não era agora que iam mudar.

Lá diz o povo:

"Quem torto nasce, tarde ou nunca endireita"

E estas duas,

(a opinião é minha)

já não endireitam nada nem ninguém

Anónimo disse...

Um coxo pode, sim senhor, ser ortopedista.

Moussier Bataux, não sabia nadar e foi excelente seleccionador da equipa francesa de natação

Mas um mentiroso compulsivo nunca deveria ser aceite como candidato a cargo nenhum que representasse o povo

Digo yo

jcosta disse...

A Ana/Elisa [uma espécie de Piño & Liño, antes dos palitos] são, desde há muito, duas chicas-espertas que, à semelhança dos seus correlegionários políticos, a começar pelo chefe, deram um chuto claríssimo em tudo o que é princípio, abjurando qualquer regra ética, mesmo mínima. Como não lhes interessa discutir a substância da mensagem, rapidamente descobriram "falhas" de credibilidade no mensageiro. Aliás, esta habilidade falaciosa é recorrente, deixando em perigo a margem de segurança entre um partido e um grupo de malfeitores. Alguns deles parecem afoitos em levar por diante a máxima do empobrecimento geral expressa "no maior bem para o menor número"; resta-nos mostrar-lhes - pelo voto - a subversão em que transformaram a democracia. As autarcas AnaElisa não passarão de vereadoras - tenho isso como certo - mas era saudável que abandonassem o lugar no PE, ou o contrário. Mas não é que o socratino-mor já veio declarar que a situação das damas é especial?
Só há mesmo uma maneira de resolver esta intrincada questão: dar um destino certo ao nosso voto. É o que fará a grande maioria de nós, que não se revê no masoquismo.