TRUMP(A)

...E PRONTOS!

O problema do mal é talvez a principal dificuldade que os teístas têm que enfrentar quando pretendem demonstrar a existência de Deus. O problema está em saber se é possível conciliar a existência do mal
[do mal moral -- guerras, violência,... -- e do mal natural -- cataclismos naturais, doenças...]
com a existência de Deus. De facto, havendo mal num Mundo criado por Deus, das três uma:
  • ou Deus não quis criar um Mundo sem mal, podendo tê-lo feito. E então é mauzinho...
  • ou Deus quis mas não soube como. E então não é omnisciente...
  • ou Deus quis e até saberia como, mas não conseguiu. E então não é todo poderoso...
Pedi que os alunos redigissem um pequeno texto, respondendo à questão: será o problema do mal uma objecção inultrapassável à existência de Deus? O que estava verdadeiramente em questão, portanto, era saber se, existindo o mal, é impossível que Deus exista; ou se é possível existir o mal mas Deus, também. No fundo, questionar... a origem do mal.

Um dos alunos escreveu, categórico: Para mim o mal existe porque tem que existir e prontos.

escrito por ai.valhamedeus

2 comentário(s). Ler/reagir:

Fi fi disse...

das aulas de filosofia que me lembro (não são muitas confesso) lembro-me de ter aprendido algo sobre a importância do "outro" para me poder consciencializar do meu "eu"! será isto?a necessidade de haver o outro, para que eu exista enquanto ser diferente, único... Ao ler este post o que me veio à cabeça foi a necessidade de haver o mal para que se reconheça o bem! E neste sentido o Mundo e a existÊncia é de facto uma balança em que tudo se equilibra (ou deveria) com os opostos!
Também me fez lembrar de uma tarde de sábado, na catequese, em que não percebi porque é que aquele Deus de que nos falavam tinha, em tempos, transformado pedras em pão, e agora (que já é um agora antigo) deixava tantas crianças morrer à fome... acho que foi dos momentos cruciais para que começasse a duvidar e questionar daquilo que aprendia (ou que tentavam ensinar) nos sábados à tarde...
Se de facto nenhum cabelo nos cair, sem o consentimento desse Deus, então duvido que ele consiga dormir de consciência tranquila, com tantos problemas de calvice que por ai andam...

Fi fi disse...

Queria só acrescentar que, ao escrever o comentário anterior, surgiu-me uma dúvida quanto ao conceito que representava a formação do ser humano por comparação ao outro, dentro da sociedade... Hoje que consegui finalmente saber que se trata do conceito de "alteridade", achei por bem partilhá-lo!