TRUMP(A)

O QUE É NACIONAL É BOM?

Há muito tempo que perdi a consideração pelo atual Presidente da República

[a bem dizer, acho que nunca tive qualquer consideração].
É público, neste blogue e há muito tempo também, que conheço Cavaco pelo cognome de Sr Escusa. Na verdade, Cavaco escusa-se a falar de todos os assuntos que não sejam inócuos ou que não sejam a defesa do governo em governação. Hoje mesmo, escusou-se a falar da dívida (do governo regional) da Madeira, mas pronunciou-se sobre o consumo de produtos nacionais.



Declaro aqui publicamente que eu não consumo produtos nacionais, assim sem mais
[isto é, como regra incondicionada: pelo facto de serem nacionais].
Consumo-os só se, por qualquer razão, forem preferíveis aos produtos estrangeiros. Até porque a esmagadora maioria dos produtos à venda não são nacionais
[nem serão, a curto/médio prazo, de certeza, pelas razões que se sabem. As declarações cavaquianas servem para encher visitas de Estado e justificar comitivas].
E, estrangeiro por estrangeiro, acabo de concluir que é preferível comprar no estrangeiro. A demonstração:
Acabo de receber a minha primeira compra feita através do ebay. Encomendei um produto que custa, na Asus Portugal, 36 euros. Veio acompanhado por oferta de outro, com valor português de mais de 10 euros, e por um terceiro, também oferta, que já tinha adquirido em Portugal por 13 euros e pico. Tudo somado, cerca de 60 euros. Através do ebay, diretamente da China, custou-me o conjunto 12,10 euros, com portes incluídos.
Tal como aqui fica!...

escrito por ai.valhamedeus

3 comentário(s). Ler/reagir:

Frei José da Santíssima Trindade disse...

Se o Sr. Escusa não tivesse arruinado a agricultura portuguesa, para satisfazer os alemães e meter ao bolso um par de milhões, hoje não estaríamos a comprar batatas espanholas. Caladinho ficava menos ridículo.

Anónimo disse...

nunca pensei ler uma prosa do aijesus a defender a globalização. valha-me deus!!!

Ai meu Deus disse...

Defender a globalização?! então... porque alguém vive numa sociedade capitalista, segundo os padrões da própria, isso significa que defende o capitalismo? O problema é conseguir escapar à globalização... :-(

A única diferença, no caso relatado, entre comprar em Portugal ou na China seria, na primeira opção, dar mais 50 euros a uns gajos que eu não conheço mas dão pelo nome de Asus; o produto é o mesmo e não há made in Portugal, como não há na maioria esmagadora dos produtos deste tipo.

Fiquei eu com os 50 oiritos -- ficaram mal entregues?, pergunto eu. ;-)