TRUMP(A)

PARABÉNS, MANUEL

Hoje, dia 11 de Dezembro, faz anos o cineasta português Manuel de Oliveira. Nasceu, portanto, um dia depois do compositor Messiaen. 103 gloriosas e profícuas primaveras. Não é para todos.

Numa entrevista à Antena 2 que, tenho pena, mas não ouvi na totalidade, ele falou de espírito, do conhecimento, das suas referências culturais, entre elas o Régio e a Agustina, dos seus encontros com o Dalai Lama e Bento xvi. E muito mais.

O leitmotiv foi a dúvida. A dúvida e a fé. “Seja naquilo que for”, disse. “Sem fé não sobrevivemos”. E foi por ali adiante com lucidez e discurso claro.

No final, o interlocutor desculpou-se pelo facto de o estar a cansar. Resposta pronta: não me cansa nada. É sempre bom desabafarmos e expormos o que pensamos.

E para ele, conforme afirmou, o pensamento é uma forma superior da inteligência.
(Bem me parecia que os nossos cérebros governantes andam falhos de pensamento). 
À noite depois das “notícias”
(más, por supuesto)
e do desporto
(futebol, por supuesto),
a RTP 2 passou o seu, do Manuel, filme “Singularidades de uma Rapariga Loira”. Que voltei a ver, e, de novo, com agrado.

escrito por Gabriela Correia, Faro

0 comentário(s). Ler/reagir: