TRUMP(A)

QUE RAZÃO MANTÉM DE PÉ ESTA FICÇÃO?


Crato, além de fingir de ministro, desautorizar a matemática, considerar (só) as Universidades de Lisboa 'extraordinárias' e se assumir como uma ficção, tornou-se, talvez por efeito de uma dieta de espinafres, especialista em gramática.

O verbo manter - e apenas em duas flexões - é, por enquanto, o seu mais recente contributo para 'esclarificar' a nano diferença entre mantêm-se e manter-se-ão. Os tribunais, onde pontua uma figura tão ficcional
(e cómica) 
como a justiça que nos tutela, poderão ser chamados a dirimir
(no Citius)
a proeminente questão gramatical e, se houver lugar a qualquer indemnização, por reiterada e abusiva incompetência de quem toma decisões aparentadas com a loucura, o erário público, sustentado pelos já acostumados contribuintes, será chamado, por razões gramaticais, creio, a prestar contas.

Se até o 'espírito santo', com tantas garantias do altíssimo, acabou por se estatelar sem a ousadia de um Ícaro, que razão mantém de pé uma ficção ministerial que mais não faz do que estatelar-se, sem nunca ter conseguido
(sequer) 
tentar 'voar'?

escrito por Jerónimo Costa

0 comentário(s). Ler/reagir: