TRUMP(A)

hoje é sábado 302. VOZ

Dormem os génios que povoam
a habitação dos sonhos,
dormem os símbolos e a dormir deponho-os
onde as coisas da vida não perdoam

Ainda bem que dorme tudo
o que limita o lume das areias,
como o silêncio preso nas cadeias
e o sossego das casas, ósseo e mudo.

Lá no fundo de tudo um mar parou:
e peixes como a luz ou detritos de fragas
apagam-se no fósforo das vagas
que uma respiração polar gelou

Carnosa e nuas vais surgindo, vida,
dessa água extinta, do instinto morto:
e às portas da verdade que suporto
chama a tua nudez, repercutida.
[Oliveira, Carlos, Trabalho Poético, Assírio & Alvim, Lisboa, 2003, pág. 85]

escrito por Carlos M. E. Lopes

0 comentário(s). Ler/reagir: