TRUMP(A)

hoje é sábado 336. À NOITE QUANDO A LUA REPOUSA NO OMBRO

à noite quando a lua repousa no ombro
mais chegado à melancolia

a chávena mal se distingue no parapeito
e a peste dos meus versos alastra lá ao fundo
numa abandonada escrivaninha

sou o escravo que repousa do idioma
entregando-se ao inaparente ruído dos insectos
e de mãos tombadas sobre o vazio

vela o descomedido trauma terreal
[Miguel-manso, persianas, Tinta da China, Lisboa, 2015, pág.17]

escrito por Carlos M. E. Lopes

0 comentário(s). Ler/reagir: