TRUMP(A)

LE JAZZ C'EST MOI


O programa cinco minutos de jazz cumpriu, ontem (21/2/2016), 50 anos de vida (ainda que interrompida durante alguns). Parece que é o mais antigo programa de rádio português. O que, em si, não é bom nem é mau.

Os "mídia" têm feito eco do cinquentenário. Com alguma pompa e circunstância. Com os focos focados em José Duarte (mesmo quando parece que é no jazz). Aliás, é dele que fala, quando José Duarte fala do jazz, pelo menos nos (nalguns) textos que li, como é o caso de uma entrevista que concedeu ao Expresso.

Para fazer o contraponto ao incenso que por aí se cheira (e não digo que não merecido) , recordo um texto publicado no Público de 20/1/2001, onde António Curvelo faz a recensão de Cinco minutos de jazz (um dos livros de José Duarte) e onde afirma

[...] custa a perceber a razão da sua repetida celebração [do programa radiofónico] como "o programa diário mais antigo da rádio portuguesa". Durante anos, o "TV Rural" terá sido o programa mais antigo da televisão portuguesa e isso foi coisa que nunca me comoveu
e ainda
[...] o tom geral é o de auto-retrato ao espelho (que, aliás, é o tema da página 114), de par com uma enorme indiferença ou desrespeito pelo leitor (partilhado pelo editor - a mancha gráfica é agradável e de leitura fácil, mas a revisão é péssima, com inúmeras gralhas e um índice remissivo quase inútil, tantos são, bem acima da centena, os erros ortográficos e as omissões de nomes e entradas por página). Como o rasgado elogio (em "Andy Kirk") a disco nunca identificado (mas que se informa ter sido tocado noutro programa de rádio de JD). Ou os zig-zags de uma escrita que, para ser "diferente", cultiva a provocação da originalidade gratuita, mesmo que à custa de sucessivas contradições. 
Recordando a auto-imagem de Luís XIV (e a sua famosa ideia de que L'État c'est moi), Curvelo defende a tese de que, para José Duarte, Le Jazz c'est moi. É esse mesmo o título do artigo.

escrito por ai.valhamedeus

0 comentário(s). Ler/reagir: