TRUMP(A)

INVERNO, E SEM-ABRIGO

Não há dúvida de que, para início de conversa, o Inverno não tem deixado os créditos por mãos alheias!

É claro que o fascínio da neve, quando bem agasalhados, e com uma lareira por perto, é motivo de alegria para a pequenada. E não só! É a novidade do manto branco a cobrir certas zonas do País que a ele não estão acostumados. Se fossem das terras frias do Demo, logo viam o que é Inverno rigoroso.

E é nestas alturas de frio agreste e nevão à porta que nos devíamos lembrar dos mais desprotegidos, como lembra Augusto Gil, poeta e Governador Civil da cidade mais alta de Portugal
(vão, vão à enciclopédia… que digo eu, à Internet! Ver qual é!)
evocando “os passos miniaturais/ duns pezinhos de criança”. Sim, na época, não era invulgar ver crianças descalças, mesmo “quando a neve caía/ branca e fria”.

Agora os tempos são outros e os desvalidos também. Agora há os sem-abrigo, essa “bizarria”que abre os telejornais e é objecto de extensas reportagens. E quem se incomoda? O que fazemos? Em França já morreram vários em virtude da inclemência do tempo. Em Portugal não há notícia de mortes, pois as brigadas de voluntários distribuem cobertores e sopa, para além de bebidas quentes! E ainda dizem que os Portugueses não são solidários! Faço-lhes uma vénia, sentida.

Mas o que me deixou perplexa foi a notícia da existência, na Holanda, de uma empresa que proporciona, por bom preço, ao que parece, uma experiência radical, a quem estiver farto da abundância: a experiência de ser um sem-abrigo! Ah, mas não um sem-abrigo qualquer e para todo o sempre. Um sem-abrigo entregue a si próprio. Não, com olho para o negócio e com todo o profissionalismo que é apanágio de qualquer empresa que se preze, esta garante a segurança do cliente! Pois, assim mesmo.

É uma nova fonte de receitas; uma forma de turismo alternativo.

A “pornografia da pobreza”, como alguém lhe chamou.

E termino, citando as últimas linhas do autor do artigo:
a rua não é sítio onde se more e é uma vergonha social não conseguirmos dar a volta a isso
escrito por Gabriela Correia, Faro

2 comentário(s). Ler/reagir:

O Homem da Floresta Mediterrânica disse...

Tal e qual como o turismo de alterne que se pratica nas estradas de Portugal.
Só que cá é mais ecológico pois pratica-se nos montados, isto é nas matas de sobreiros e pinhais

Anónimo disse...

Parece perceberes bué do assunto. Se calhar também és daqueles que param o camião para irem apanhar flores.
JC