TRUMP(A)

AGUIAR BRANCO [E TINTO]

Por mais do que uma vez tentei perceber a moleza da cerviz de J P Aguiar-Branco.

Recordo-me que, há relativamente pouco tempo, num público encontro com Santana Castilho, ambos tentaram dizer o pior possível da ADD, ficando a ideia e até o compromisso de que o líder parlamentar iria bater-se pela sua suspensão assim que a matéria fosse discutida na AR. Aguiar Branco, para surpresa de uns tantos
[ou talvez não]
capitulou com estrondo aos pés do partido do governo e, dando o dito por não dito, ajudou a viabilizar, uma vez mais, o multisimplex modelo de avaliação que todos [?!] queriam suspender.


Aguiar Branco
[clicar na imagem para l/ver melhor]

Estou por isso mais descansado. Uma cambalhota pode ter soberanas razões e até revestir a forma de um contrato embrulhado nuns míseros 75.000.00 euros. Parece pouco, quase nada; mas se for preciso contestar politicamente algum excesso da “Parque Escolar” poderá ser suficiente para justificar o silêncio, ou, quem sabe, um disfarçado aceno de cabeça.

Aguiar-Branco é candidato a líder do PSD e a 1º ministro. Tudo bem encaminhado, portanto.

Estamos esclarecidos: não se consegue esconder tudo de todos durante todo o tempo.

escrito por Jerónimo Costa

2 comentário(s). Ler/reagir:

Anónimo disse...

não tenho nada a ver com o PSD, nem nunca tive, mas que eu saiba, o Aguiar Branco até é um político oriundo da sociedade civil. tem um negócio e dá emprego a vários indivíduos. agora isso parece que passou a ser crime. Tudo porque o senhor enquanto líder do grupo parlamentar, não agradou totalmente à corporação dos professores... pelo menos ainda têm acesso às suas fontes de rendimento fora da actividade política... coisa cada vez mais raros nos inúteis, impreparados e oportunistas políticos que nos desgovernam e nos colocam numa pobreza e indigência absoluta...

Anónimo disse...

A declaração de interesses fica-lhe bem.
A afirmação assertiva de que o senhor tem um negócio e dá emprego a vários indivíduos, não merece contestação.
A expressão "crime" é da sua responsabilidade.
Certo, certo é que paira uma espessa nuvem sobre a empresa que dá pelo nome de Parque Escolar e, são já várias as vozes de "políticos civis" [e de muitos outros], que entendem o negócio como mais um grande golpe que coloca as escolas públicas [principalmente as que estão bem situadas] na órbita ou do ensino privado ou da especulação imobiliária.
Sendo assim a questão fica enviesada se a vir [apenas] pela perspectiva do des/agrado à corporação dos professores. Há aqui, fundamentalmente, para além do negócio, uma questão de ética republicana, ou, se quiser, uma outra questão: sendo Aguiar Branco [sociedade] parte interessada na empresa [PEscolar] para a qual trabalha, se houver necessidade de decidir politicamente, regulando-a, que tipo de independência manterá o visado?
São estes "polvos" que vão manietando tudo e todos que deixam o país cada vez mais parecido com um pântano, mas isso provavelmente não lhe interessa...