TRUMP(A)

FIDEL E OS HOMOSSEXUAIS

Um dia, no Verão, jantava com um famoso ortopedista
(e outras pessoas)
no Alcatruz, em Santa Luzia, e alguém na mesa perguntou se a homossexualidade era físico ou de educação. Eu e ele respondemos ao mesmo tempo: físico, disse eu, educação, disse ele. Penso que, ainda hoje, não há resposta para a pergunta, apesar de eu continuar a achar que é físico, ou genético ou o que quer que seja e muito pouco
(ainda que possa haver casos)
de educação. Baseei-me em algum estudo científico? Não. A simples observação dos casos que conhecia e algumas coisinhas lidas. Mada mais.

No movimento comunista internacional a homossexualidade sempre foi olhada como uma doença, um desvio de classe. Fidel chegou a afirmar não conhecer camponeses homossexuais
(por acaso é raro, mas eu conheci na serra de Santa Catarina),
por ser uma doença urbana.

Em Portugal, Júlio Fogaça foi afastado do PCP por, entre outras coisas, ser homossexual.

Hoje vejo no Público que Fidel Castro pede desculpa pela perseguição que os homossexuais sofreram na Cuba revolucionária. Mais vale tarde do que nunca. E se Cuba teve homossexuais de grande talento! Por todos consulte-se Guilhermo Cabrera Infante e a sua Mea Cuba.

Em Portugal, parece que o PCP já alterou a sua posição sobre os homossexuais. Ainda bem.

escrito por ai.valhamedeus

1 comentário(s). Ler/reagir:

Anónimo disse...

E direi mais

Os melhores homossexuais estão no P.C.

É só ir lá e escolher à vontade