TRUMP(A)

(RE)COMEÇAR A MEXER

O núcleo da APEDE de Caldas da Rainha convoca os professores do concelho e, obviamente, todos aqueles que se lhes queiram associar, para uma concentração/vigília, marcada para sexta-feira 28/01/2011, pelas 21:30 h, na Praça da República (praça da fruta) − Caldas da Rainha.

Visa esta iniciativa fazer sentir à opinião pública, ao governo e aos sindicatos signatários de ‘memorandos’ e ‘acordos’ de má memória que os professores não desistiram da sua luta e que:

  1. Recusam definitivamente a demência burocrática deste modelo de avaliação;

  2. Não aceitam a precarização laboral em curso, apresentada como consequência inescapável da política de redução da despesa pública.

  3. Não admitem a usurpação continuada dos seus direitos laborais, que está a conduzir à subversão total do seu estatuto profissional.
Pára de remoer a tua resignação e vem afirmar a tua dignidade!

Traz um amigo.


[rapinado daqui]

escrito por ai.valhamedeus

4 comentário(s). Ler/reagir:

Anónimo disse...

Parabéns ao núcleo da APEDE de Caldas da Rainha, pela iniciativa que vai desenvolver.
Como Coordenadora de Departamento, Relatora e elemento da CCAD, merece o meu aplauso e a minha anuência a expressão " demência burocrática" que tão correctamente foi utilizada para se referir ao modelo de avaliação.

Anónimo disse...

Lá vão aparecer os 15 do costume para nos envergonhar a todos. Tanto quanto se sabe está a ser preparada pelos sindicatos uma grande manifestação nacional. Aí não estarão apenas 15

Anónimo disse...

O que nos envergonha e nos lixou a todos foram os "memorandos" e "acordos", isso sim. Se houver manif vou também, claro.
Gabriela

Ai meu Deus disse...

Ao anónimo/a dos 15 do costume:

O problema (um dos problemas) dos sindicatos, ultimamente, tem sido precisamente esse: o "tanto quanto se sabe". E sabe-se pouco. Quero dizer, as direcções sindicais cada vez ouvem menos os profes em geral e os sindicalizados em particular. Cozinham acordos fechados com o Ministério, às pressas que ninguém entende, com resultados que ninguém vê.

A coisa está a atingir tais limites que há escola(s) onde ainda não houve reunião para eleger os delegados sindicais: a escola onde trabalho, por exemplo.

O problema principal dos sindicatos é precisamente esse: são instituições perfeitamente integradas no sistema e pelo sistema. Longe vão outros tempos...