TRUMP(A)

TERRORISMO NA ESEN

O sr. director da Escola Secundária Emídio Navarro de Viseu mandou censurar o fórum virtual da escola. E fez muito bem: parece que havia por lá comentários que só visavam dinamitar o bom nome e a vida centenária da Escola
[alguns, de autores anónimos, mas todos de "terroristas", como -- garantiram-me -- o sr. director apelidou, publicamente, os autores de tais inqualificáveis textos. Terroristas, claro, é o que esta gente é].
Só que os terroristas, manhosos, mudaram de campo de batalha. Agora, bombardeiam o livro de visitas. Só para que se tenha uma ideia do baixo nível da acção destes diabólicos e atrevidos seres, transcrevo o que é, neste momento em que escrevo, a última "saudação terrorista" do livro
[e não transcrevo outras porque são ainda mais inqualificáveis]:
"O sr. director (e os seus esbirros) não gosta de sugestões.
O sr. director vive mais descansado com o fórum condicionado.
Silêncio: O sr. director instalou a censura (a que chamou «liberdade responsável») e... vigia-vos.
Não tarda e o livro de visitas também será censurado.
É tudo dele! os alunos estao todos descontentes da maneira como a nossa escola se transformou, no ridicula que ela esta, no anormal do seu funcionamento. Esta escola ja nao nos pertence, esta escola agora nao e nossa, nao podemos dar opinioes, mostramos o nosso descontentamento e mesmo assim nao mudam nada para nos sentirmos melhores. Revoltada, desiludida, estafada de estar numa escola tao monstruosa como ela esta. Uma entrada horrivel, parece uma sala de espera num hospital com a pequena diferença de nao ter cadeiras para os seus pacientes se sentares. Os alunos nao tem espaço para poderem estar, se se querem sentar ou no bar ou entao no chao nos corredores. Pk para a quantidade de alunos que a escola tem, nao ha espaço para todos nos sentarmos no bar. O sol entra pelas janelas das salas de aula, temos que interrumper a aula para nos podermos mudar de lugar. Afinal o que e isto?????? Andamos no tempo e estamos no seculo 18, acreditem a escola emidio navarro era a escola que nao tinha todas estas alteraçoes. Que desilusao".
O que é que se pode dizer de escritos como estes? que estão a pedi-las, não é? depois admirem-se se o sr. director também mandar censurar o livro de visitas. As pessoas abusam e depois queixam-se, não é?...

escrito por ai.valhamedeus

6 comentário(s). Ler/reagir:

Anónimo disse...

O sr. director, bem, o sr. director anda muito ocupado com as (in)fundadas ameaças de terrorismo; sobra-lhe algum tempo para…regular a liberdade de modo a que não tenha expressão para além do que (lhe) convém e está muito feliz (!?) porque, com tantas portas que a escola tem, consegue manter apenas uma a funcionar e, não é a principal!

O sr. director deve ter alguma ideia genial em mente: com tão entranhado mal-estar, ocorre-me que talvez queira dirigir uma escola só com moinhos, ou, quem sabe, só com gigantes. Com alunos, professores, funcionários e pais, não será certamente.
Enfim, directores!

Anónimo disse...

Mais respeitinho pelos senhores directores.
... Estes senhores directores de aviário... não servem de exemplo

Mas neste governo fazem-se directores e juizes aos 25 anos, gente imberbe e sem qualquer experiência nem tarimba e depois queixam-se.

Mas o pior é ainda quando se nomeiam por fazerem parte do esquema, que é o caso vertente

Zé de Vil de Moinhos

Anónimo disse...

Ó Zé, mas que esquema!
Até o marido da sra. sub-directora se terá (?) esfalfado a fazer telefonemas para angariar votos para o “novo” director;
um dos pais participou na eleição do director sem que, alegadamente, possuísse qualquer educando seu na escola;
uma das representante da dita associação no conselho geral garantia, a quem a quisesse ouvir, que nem sequer tinha havido eleições para os anteriores corpos sociais: alegadamente, indicaram-se uns aos outros (parece que agora houve). Enfim, outros andaram, de porta em porta, atemorizando e anunciando o inevitável caos para os seus (i)legítimos interesses, fosse o contestado gabinetezinho de apoio aos alunos – que derrete indivisíveis recursos humanos e outros – para nada, fosse o caríssimo e (i)legal projecto “Via quê”? dirigido pelo seu ególatra director, ou - e essa continua a dar brado – a indicação do chefe do pessoal recair, contra a maior parte das justas expectativas dos funcionários, exactamente no elemento que integra o conselho geral.
Favores e votos numa alegada mistura explosiva.
Querem melhor laboratório para estudar o descontentamento, querem? Dificilmente encontrarão.
Talvez agora se compreenda melhor o frenesi da censura…pudera!

Anónimo disse...

As ruas (as reais e as virtuais) ainda são o que eram; Mubarak está de saída: o destino certo para grandes e pequenos ditadores.

Anónimo disse...

inda falta falar da ilegalidade de atribuir a funcionários a venda de sombreros na banca da recessão durante semanas de chuva, fazendo a dire~ção vista grossa à concorrência com as lojas chinesas que tamén não pagam imposto e vergando aos interesses económicos dos apoiantes do director.
O que foi feito? Nada.

Anónimo disse...

inda falta falar da ilegalidade de atribuir a funcionários a venda de sombreros na banca da recessão durante semanas de chuva, fazendo a dire~ção vista grossa à concorrência com as lojas chinesas que tamén não pagam imposto e vergando aos interesses económicos dos apoiantes do director.
O que foi feito? Nada.