TRUMP(A)

DO CONTRA [93] antropofagia católica



O momento alto da Eucaristia católica é (talvez) o da consagração: as fórmulas mágicas "Isto é o meu corpo. Tomai e comei" e "Isto é o meu sangue. Tomai e bebei" transformam o pão e o vinho no corpo e no sangue divinos. Outra enlevação mágica acontece pouco depois, quando esse corpo (e, por vezes, o sangue) é distribuído aos fiéis presentes, para ser comido (e bebido).

Sempre me baralharam estes católicos rituais antropofágicos: pela crença tola numa transformação (transubstanciação) sem absolutamente nenhum sinal da mesma; pela estranha atividade antropofágica.

Quando vejo "cartazes" como este que reproduzo, fico ainda mais baralhado (ou antes, surpreendido) com a polivalência do corpo de Cristo: afinal o corpo não é só carne, mas também pão. "Consola-me" que talvez este caso possa não ser tão antropofágico: talvez, aqui, "pão" tenha aquele significado que é transmitido na exclamação "Olha-me aquele homem! Que pão!..."

escrito por ai.valhamedeus

1 comentário(s). Ler/reagir:

Ilda Ribeiro disse...

Quando leio e oiço comentários sobre as crenças religiosas interrogo-me sempre sobre o que eu acredito e vem-me sempre à cabeça a frase conhecida de Simone B. "não acredito em Deus mas acredito nos que Nele crêem", isto porque acho que o pessoal que acredita tem sorte tem a vida facilitada! Quando a vida corre mal, existe na crença religiosa um abraço invisível reconfortante que não é de todo possível a quem não acredita..." por alguma razão as coisas aconteceram" (ex a morte de alguém em situação inesperada ou em idade não admissível para cada um de nós).Acho sempre que os crentes são uns sortudos! depois porque a existência ou não de Deus nada afeta a minha vida, se existir ok se não existir ok tb. Nada muda o que faço continuarei a trilhar o mesmo percurso. Tanto mais que a existir um Deus há-de perceber que estão a enganá-lo.....se fazem algum não por convicção mas porque querem agradar....agora erro e depois peço perdão????não cola!!!!!e no final acho que a religião a mim foi um bem, na altura certa, pois foi através da Igreja que eu ganhei consciência politica num altura que falar de presos políticos, de guerra em África de desertores, de democracia não era pecado na igreja mas valia no país onde eu vivia amarras e denuncia a qualquer momento. Confesso que a minha primeira reivindicação em casa dos meus pais foi "ir à missa todos os domingos" porque era onde eu encontrava a liberdade negada na sociedade onde vivia e foi através da igreja que voei para o mundo. Por isso talvez não conseguindo atualmente ter fé "acredito nos que acreditam!!!" só me incomoda as manifestações de fé que eu considero desatualizadas isto é fora do contexto do mundo em que vivemos (que são quase todas)as crenças do foro místico não me incomodam mesmo nada. Esta reflexão acabo por fazer muitas vezes dentro da minha cabeça pois cartazes iguais a este (contexto) estão espalhados pelo mundo fora. E felizmente homens que são um "pão" tb. A mulher tem atrás de si anos de amarras que nem na frase que hoje pode dizer em voz alta se consegue libertar continua a ter muita história por fazer.