TRUMP(A)

hoje é sábado 189. O BRAÇO

O braço que falta ao mendigo é que o sustenta
É ele que na sombra mexe os cordelinhos
De milhões misteriosos de dedinhos
Com que o mendigo se coça e se alimenta.


O cego que toca violino na esquina
Da Rua de Santa Teresa e da Galeria de Paris

Entre o cego e a música o braço se coloca,
tão célere que o cego não entende
dos braços da música que toca
qual o que o abraça qual o que ele estende.

[PINA, Manuel António. Todas as palavras: poesia reunida. [sl]: Assírio & Alvim, 2012, pág. 45].

escrito por Carlos M. E. Lopes

0 comentário(s). Ler/reagir: