TRUMP(A)

ILUSTRAÇÕES... DE UM OUTRO SENTIR * 6


PARÁGRAFOS

No silêncio que a noite impõe
Segredam-me, íntimas gotas de poesia
Que escrevem nas folhas do meu diário
A languidez das horas aladas.

Na escuridão do insondável
Buscam minhas mãos o mistério
E imprimem, no chão frio do tempo
Os ermos parágrafos do viver.

Acendo o fogo na intimidade das coisas
Olho o sentido das nuvens, a espuma das marés
Escrevo o repouso que as noites ditam.

Fecho os olhos e, calmamente, no ondular breu
Deixo-me morrer no infinito que me adormece
Nos parágrafos do anoitecer.
[Cecília Vilas Boas, in O eco do Silêncio (Esfera do Caos, 2012)]

foto, de ai.valhamedeus; escolha do poema, de Ana Paula Menezes.

0 comentário(s). Ler/reagir: