TRUMP(A)

CAI O CARMO E A TRINDADE? CAI!


De repente - e compreende-se - com tanta desavença em torno do espírito santo, que por uma estranha metáfora, era uma espécie de illuminati dos papas, acabou (também) por tremer o Carmo. Mesmo nas nuvens
(e perto de Deus!?) 
o Papa Francisco acrescentou umas achas para a fogueira e, de um sopro, aragem que faz medrar os incêndios, resolveu, ali mesmo, no avião (?!) rever a teoria de (não) “dar a outra face” regressando a uma espécie de direito natural da força:
"se um grande amigo fala mal da minha mãe, ele pode esperar um soco, e isso é normal." 
Bela epifania para quem tem percorrido tempestades contrariando a ideia de que quem anda à chuva molha-se. Bastou uma hedionda matança, em Paris, no XI arrondissement, onde se cultiva a liberdade de expressão, através da sátira, para o mais alto dignitário dos Cristãos achar uma espúria comparação e disponibilizar o soco (a um amigo) para resolver a contenda. Certamente por se achar mais forte; sabendo-se mais fraco, quem sabe, era capaz de ir buscar a kalashnikov para acertar contas com o incauto.

Sei que a liberdade de expressão é assunto sério, sendo, por isso, um referencial da democracia. Há gente disposta a cercear a liberdade, não a sua, mas a dos outros. Todos (?!) sabemos como isto começa; Marine já deu o mote: referendo sobre a reintrodução da pena de morte
(O Charlie já a experimentou e o Papa ainda só vai no soco) 
e a revisão do Tratado de Schengen. Não saberemos como isto termina. Dizem os livros que passa pela censura, auto-censura, interrogatórios arbitrários, prisão e limitação, em nome da segurança, de um conjunto de liberdades.


Está desenhado o caminho e há muito que descansa nos cartoons, acenando-nos com o inevitável retrocesso civilizacional. Aliás, há muito que os islâmicos vêm reclamando da cruz na bandeira da Suíça e estes, nos produtos que querem exportar para os países islâmicos, já lhes fizeram a vontade: substituíram a cruz! Um dia ainda vamos ter que adoptar a Sharia…

escrito por Jerónimo Costa

0 comentário(s). Ler/reagir: