TRUMP(A)

O LONGO CAMINHO DA TOLERÂNCIA


Poderíamos consultar Gil Vicente, ou Shakespeare e, de algum modo, seguir um dos seus preceitos de vida: ridendo castigat mores. Sabemos que é pelo desconcerto/desconstrução que, frequentemente, se trava o fanatismo e a intolerância. Uma das vias continua a ser o humor e a sátira, mecanismos expeditos de garantia da liberdade de expressão.

François Jacob (1989) no 'Jogo dos Possíveis' escreveu, lapidarmente, que todos os crimes da história são consequência de algum fanatismo. Todos os massacres foram cometidos por virtude, em nome da verdadeira religião, do nacionalismo legítimo, da política idónea, da ideologia justa; em suma, em nome do combate contra a verdade do outro.

Em França, o 'ovo da serpente', que há muito vinha sendo amparado, teve, agora, um desfecho brutal. A pátria da Liberdade, Igualdade e Fraternidade, que Hollande foi transformando num equívoco, tem agora uma grande via para levar Marine Le-Pen até ao Eliseu. Não foram apenas os jornalistas-artistas que sucumbiram; foi a democracia, que na sua roupagem de fachada, abriu as portas a todas as trancas, permitindo mais um golpe na já frágil DUDH!
En quarante-cinq ans d'existence (et une longue interruption), Charlie Hebdo a toujours dérangé, c'était bien là d'ailleurs sa raison d'être: faire rire, faire réagir, faire réfléchir. Jusqu'à 2011, c'était surtout dans les tribunaux que la rédaction était attaquée. Jusqu'à l'incendie criminel de 2011. Et jusqu'au massacre de ce mercredi 
(Libération, 7JAN2015)
escrito por Jerónimo Costa

0 comentário(s). Ler/reagir: