TRUMP(A)

"E O JUIZ CARLOS ALEXANDRE QUE SE CUIDE..."


Regressamos à liberdade de expressão. Soares tem todo o direito de exprimir as suas ideias, defender os seus amigos e ter, sobre eles, as convicções que melhor se adequam ao seu ponto de vista. Atacar o sistema judicial, opinando, segundo o seu critério, de modo a desqualificar a sua actuação, lançando sobre ele o labéu da suspeição, só adensa o clima de perturbação do processo que, afinal, a prisão preventiva procurou acautelar, reforçando também a ideia de que os políticos estão a salvo de prestar contas à justiça, façam o que fizerem!

Retomar a velha máxima de um dirigente do partido que, a dada altura resolveu informar 'que quem se mete com o PS, leva', sendo infeliz
(por pretender substituir a força da lei pela lei da força), 
não só não se adequa à legítima separação de poderes, consagrada pela Constituição, como assume uma intolerável interferência no processo que apenas a justiça pode e deve resolver. Ameaçar um juiz a quem cabe instruir um processo, seja ele qual for, que, de resto, não decide sozinho
(tem o aval e a conformidade do Ministério Público), 
constitui um perigoso retrocesso democrático e uma desqualificação dos princípios e das finalidades que regulam as instituições. Cavalgar uma onda que, no limite, se destina a manipular e a provocar alarme público, que está longe de colher a adesão de tantos portugueses como Soares imagina, mais não faz do que transformar um caso de polícia num caso político. Um padrão de suspeição, tão elevado, que, além do mais é comum a outros agentes políticos, só se resolve com uma justiça eficiente e eficaz, nunca por pressões políticas, muito menos através de ameaças, que envolvem a integridade física e moral de quem decide, venham de onde vierem.

escrito por Jerónimo Costa

0 comentário(s). Ler/reagir: