TRUMP(A)

MANIFE DE COBERTORES

Ontem, este blogue deu uma ideia das condições miseráveis em que reabriu a Escola Secundária Emídio Navarro de Viseu. Consta que está a ser organizada, através de sms e do facebook, uma manifestação de usando cobertores / mantas ! O "slogan" é: Eu não vou congelar mais nas salas de aulas da Esen ! Alinha ou congela e espera sentado.

escrito por ai.valhamedeus

8 comentário(s). Ler/reagir:

Anónimo disse...

Na minha sala os alunos trouxeram um ventilador de 10 euros.

Funcionou bem melhor do que o complexo sistema de arrefecimento da ESEN.

Não tarde vão subtrair as tomadas das salas...

Viva a Parque Escolar!

Anónimo disse...

Herdei um "cobertor de papa" das serranias de Trás-os-Montes.
Pode ser uma "coisa out" aquece mais do que o complexo sistema de arrefecimento da Esen. Cobertor às costas... Lá estarei!
Também não quero congelar nas salas da Escola que não reconheço como "minha".
Quero a minha Escola velhinha...
Viva a ESEN Requalificada...Perdão, Esen DESQUALIFICADA...

Jacinto Figueiredo disse...

País /ESENVis proporcionalmente semelhantes - pobreza, frieza, vergonha, miséria, imundice, esbanjamento, deterioração e outros adjectivos.

Anónimo disse...

Ai,ai, o poder caiu na rua?? Como o outro temia? É uma vergonha este triste fado.
MC

Anónimo disse...

Hoje, ao final da manhã, continuava a não haver papel higiénico na casa de banho (pelo menos no das professoras), nem sabão para lavar as mãos nem qualquer modo de as secar: nem papel nem secador a ar nem. Nem nada.

Anónimo disse...

Ups!!!! Mas que vergonha ler estes comentarios,visto a escola até ter sido remudelada o que deveria significar melhores condições para quem a frequenta. Pelos vistos enganei-me... peço desculpa!!! Pois a remodelaçâo foi só de "fachada".

Anónimo disse...

De um professor contratado...

Estes professores ignorantes que deviam estar a prestar um melhor ensino aos alunos, estão a perder o seu tempo com futilidades.

Vê-se mesmo que já têm a sua cadeirinha bem quente nesta escola. Se tivessem de andar de escola em escola e as mesmas tivessem condições péssimas (onde chove e tudo) não perdiam tempo com isto.

É graças a ignorância dos "velhos da guarda" que todos os professores da minha geração estão a sofrer.

ENSINEM AS CRIANÇAS TÃO BEM COMO NÓS!

Anónimo disse...

Quase sempre somos o que dizemos; uma ou outra vez, também nos confundimos com o que escrevemos e, esta prosa, sem pretender atingir a arrogância do auto intitulado “professor contratado” diz muito do carácter [ou da sua falta] de quem escreve.

Retórica à parte:

São poucos os que se confundem com o que fazem: é preciso que decorra muito tempo e obra de mérito para que alguém seja reconhecido como professor ou mestre. Aqui, o imberbe “contratado” (será?), resolve confundir-se com o que faz (fará?), e não satisfeito, espalha lama e atributos menores para sítio nenhum. Ignorantes, futilidades? Mas, um “sábio” de tal quilate precisa de se esconder no anonimato do que faz? Só por uma única e simples razão: havendo na nossa escola tão lúcida personagem e correndo nós o risco de a perdermos, num próximo contrato (para outra das escolas “onde chove e tudo”), embora tenhamos os defeitos de que nos acusa, certamente teríamos muito a aprender com alguém com tantas “virtudes” e, sentados na “cadeireinha”, enquanto aprendíamos, espiávamos a pena de tanto termos feito sofrer os professores da geração do idiota.

São vários os erros de análise em tão pequeno texto: um contratado, muito menos um professor, a menos que tenha trocado a medicação, não comete o erro da generalização apressada, ou de chamar aos problemas futilidades; um contratado, muito menos um professor, a menos que alguns neurónios se recusem a fazer sinapse, devia saber que praticamente todos os professores, com mais de 30 anos de serviço, andaram por muitas dessas escolas onde (ainda) chove e faz frio!

Se é graças aos professores mais velhos que a geração do patati patatá, está a sofrer, aí dou-lhe razão: pelo menos no seu caso [tenho boas referências de outros], fomos demasiado condescendentes com a sua avaliação. Um conselho de cadeirinha: dedique-se a apertar parafusos, mas apenas dos que apertam no sentido dos ponteiros do relógio; ah! de um relógio analógico.

Se algum dia precisar de escrever, o que mais há por aí sáo textos bem escritos, basta que os descubra, escusa de fazer má figura. Já agora, evite ensinar; o seu perfil não é recomendável.

Como também não quer aprender nada comigo e a minha ignorância já foi decretada, mesmo sem me conhecer, fico na "cadeirinha" e da guarda, velho como sou, espero um anjo, [pode ser uma anja, para variar].